sábado, 9 de janeiro de 2010

Meu blog é desumano

My blog is unhuman

"O destino especificado é inalcançável" é uma mensagem de erro que aparece quando algo muito óbvio não foi feito. Aparecia sempre que eu tentava conectar a internet sem o modem. É como ativar o interruptor sem haver lâmpada, ligar um ferro sem a tomada, essas coisas. A partir daí tudo pode mudar. O tal destino pode ser perfeitamente alcançável, a solução pode ser extremamente simples.

"O destino especificado é inalcançável" (The specified destination is unreachable) is an error message that appears when something obviously wasn't done. I saw it every time I tried to connect internet without a modem. It's like switching lights on without lamps, turning on an unplugged iron, stuff like that. From this on, everything can change. The destination may be pretty much reachable, the solution may be extremely simple.

Já faz tempo que escrevo aqui e nunca parei pra explicar o porquê e a quê este blog se detém, não via uma razão pra isso, afinal quase ninguém vem aqui.
Embora eu use muitos exemplos pessoais para embasar minhas ideias e esvazio minha cabeça das reflexões que atormentam a minha mente, aqui, em texto, este blog vai além de mim, e de você também.
Por isso, desaconselho a qualquer pessoa visitar esta página, e não faço a mínima ideia de como você achou este endereço, mas ainda está em tempo de fugir. Há uma barra na parte superior da janela, clique em "próximo blog" ou algo do tipo. Simplesmente feche a janela ou apenas procure outro site.
Não sei porque você continua a ler este texto, mas enfim, vou explicar por que este blog é desumano, deve ser isso que você quer saber.

It's been a long time I have been writing here, and I never stopped the machines in order to explain why and what is all this blog about. I just didn't saw a reason for it, after all, almost nobody comes here.
Although I use many personal examples for illustrating my ideas and empty my head from the thoughts that haunt my mind, here, in text, this blog goes beyond me, and beyond you too.
Therefore, I hereby do not recommend anyone to visit this page and I have no idea at all how come you found this adress, but you still have time to run. There's a bar attop this page, click on "next blog" or something like that. Simply shut this window or just look for another website.
I don't know why you are still reading this text, but, anyway, I'll explain why this blog is unhuman, probably that's what you wanna know.

Em primeiro lugar, o conceito de desumano em geral é ligado a crueldade, a frieza e a impiedade. Não é bem isso que quero dizer aqui. O que escrevo é desumano no sentido de impessoal, desprovido de alma, de orgulho, de idiossincrasias, não representa apenas meu ponto de vista, mas além disso. Não escrevo o que escrevo porque gosto ou porque quero ver as coisas desse jeito e sim porque foi assim que concluí que elas são, além do mais, meus textos são permeados de relatividade, nada é absoluto. Por isso ninguém pode me criticar, porque eu já dou razão ao meu crítico antes de tudo, qualquer que seja seu argumento. Não que eu me preocupe com críticas.

First off, the concept of unhuman, at least in Portuguese, is associated to cruelty, coldness and impiety. That's not really what I mean here. What I write is unhuman in its impersonal sense, deprived of soul, pride and idiosyncrasies, doesn't represent just my point of view, but more than that. I don't write what I write because I like it or I wanna see things in that way, but because that's the way I concluded things are, furthermore, my texts are permeated of relativity, nothing is absolut. That's why nobody can criticize me, because I agree with the critic even before the argument was given, no matter what is the point. It doesn't mean I really give a damn to criticizing, though.

Este blog se detém a ideias, conceitos, e não a ações ou acontecimentos, mas a tudo o que está por trás deles. Suas ideias começaram a ser incubadas muito tempo antes de sua criação, quando eu me deitava e não conseguia dormir, angustiado ao pensar na magnitude do tempo, da grandeza do espaço, nessas questões que, dizem, todos pensam, "de onde viemos" e " para onde vamos". É mais como uma terapia, aqui descarrego o que me afligia, me ajuda a pensar e a clarear os pensamentos.
Por exemplo, num dos primeiros textos, coletividade, em sua criação literária raciocinei, ao passo que escrevia, e conclui junto com o texto que nós somos um produto de incontáveis gerações, tudo o que usamos e o que nos rodeia assim é, nada é um indivíduo só. Em variáveis de tempo e espaço disserto sobre os conceitos que tanto me esmagavam, o infinito, o eterno. Lembro que esse foi o tema que mais me perseguiu, e eu não tinha com quem conversar. Uma vez conversei sobre isso com o meu pai e ele disse que eu era psicótico. Isso me leva a outros dois textos, utopia, no qual murmuro sobre a relação entre seres humanos, a ambiguidade de suas interpretações e ações neste plano de existência e conflitos, e velho é o mundo, em que percebo que tudo o que se passa comigo e com qualquer outra pessoa certamente já se passou com outras, passa-se agora e passar-se-há com outras.
Talvez por decepcionar-me tantas vezes com esse mundo escrevi sobre o que não existe e sobre o fim de tudo, o que cai outra vez em variáveis de tempo e espaço, o fim de tudo, dentro da eternidade e a inutilidade da nossa existência. A verdade é que todas essas ideias num momento ou outro se interligam, nada é separado, tudo é algo só, assim como eu, você e este universo.

This blog is about ideas, concepts, and not actions or events, but about what is behind them. Its ideas started to be generated much earlier than its own creation, when I laid down and couldn't sleep, anguished, thinking about the magnitude of time, the grandeur of space, those questions that, they say, everybody thinks about, "where did we come from" and "where are we going to". It's more like a therapy, here I unload whatever grieved me, helps me to think and clear my own thoughts.
For instance, in one of the first texts, collectivity, during its literary creation I reasoned, while I wrote, and concluded, along with the text, that we are a product of countless generations, everything that we use and is around us is like that, nothing is just an individual on its own. In variables of time and space I deal with concepts that smashed me, the infinite, the eternal. I remember that this theme stalked me the most and I had nobody to talk about it to. Once I talked about it to my father and he called me psycho. This leaded me to two other texts, utopia*, where I blurb about the relationship between human beings, the ambiguity on the interpretation of their acts on this plan of existence and conflicts, and, in as old as the bones of earth, I perceive that everything that is going on with me or anyone else certainly has already happened with other people before, happens now and shall happen with others as well.
Maybe, for having got disappointed so many times regarding this world, I wrote about what doesn't exist and about the end of everything*, which, once again, boils down to variables of time and space, the end of everything into eternity and the uselessness of our existence*. The truth is that all these ideas, at some point, interconnect, nothing is separated, everything is one single thing, like me, you and this universe.

E isto tudo é posto em xeque pela ideia do nome do blog.

And all this is questioned by the idea behind this blog's name.


Dedicado a Tanya.

Dedicated to Tanya.


*No English translation available

--


...

6 comentários:

777tanya disse...

Vc sabe que vc é замечательный заяц?

Ковёр-самолёт disse...

:)

777tanya disse...

Você é muito talentoso e muito bom.

katia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
katia disse...

tão bom escrever apenas pra desabafar,descarregar os pensamentos...
abraços

Vida*** disse...

Muito interessante o seu Blog. Ao ler seu texto indentifiquei-me com algumas passagens da minha Vida. Ja faz muito tempo que vejo que somos varios dentro de um só.(Somos um produto de incontáveis gerações. Tdo o que usamos é o que nos rodeia.Assim é, nda é um individuo só. Em variações de tempo e espaço.) Concordo. Mas,ás vezes preciso me calar. Pois,vão me achar psicótica.(LOUCA) Apenas,observo. E fico a me questionar sobre Eternidade.Morte e outros temas que rodeiam minha mente inquietante. Por isso estou aqui lendo seus textos e de outros. Qdo vejo que são interessantes e me identifico com eles. Obrigada!!