quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Sem Título

Calçadas. Avenidas. Ruínas. Não há mais pressa. Não há mais horários. Tudo acabou, e a conclusão é de que a existência humana não teve importância alguma.

Ruas outrora ocupadas por carros ansiosos por chegarem aos seus destinos. Placas de atenção para as quais não existem mais olhos capazes de enxergá-las...

É difícil saber onde terminam os escombros e onde começam os cadáveres. Tudo é inerte. O conceito de movimento foi perdido, junto com a memória daqueles que pereceram.

Sonhos... Tenazes quelíceras cravadas em tudo que viam. No fim, trouxeram o pesadelo mor. Mas no fim nada mais importa. Nada mais existe.


Homeostase tão longínqua. Não dava pra esperar. Tiveram que acabar com tudo eles mesmos.

2 comentários:

Clarissa(s) disse...

31 de outubro... escorpião também!

Dona do Caos disse...

boazinha... nao sei nao. contudo, obrigada pelo comentario... risos
vc pelo visto nao é uma pessoa tao candida quanto eu, mas tudo bem.
obrigada pela visita...